segunda-feira, 23 de junho de 2014

Meu último Texto

Tudo foi uma mentira, 
Foi tudo uma ilusão, 
Sempre fora uma Utopia,  
Fora sempre exacerbadamente idealizado 
em mundo em que o idealizado não existe e o ideal nada mais é do que anátema.
 
Duas Décadas de um verdadeiro Circo de Pulgas,
Uma fuga desenfreada e paranoica de um Monstro de criação própria...


Quando a distancia já era grande surgiu a crença supersticiosa,
Recheada de misticismo irracional e infantil de que não mais seria alcançado,  
Veio o relaxamento o descaso a despreocupação o esquecimento e a libertinagem, 
Talvez por isso não se tenha percebido sua aproximação e chegada repentina, 
Agora porém a hora é avançada e já se faz demasiadamente tarde...

O 15 de Setembro voltou para cobrar a sua conta, 
Portanto o que escrevo hoje derradeiramente nada mais é do que um Epilogo,
Pois com minhas próprias mãos fui autor do meu próprio Apocalipse.

sábado, 12 de abril de 2014

O que é Desistir

Desistir é poder fazer e não querer, 
é abdicar do que já fora conquistado e refazer as mesmas escolhas já feitas outrora, 
é mudar as prioridades e por consequência lógica é mudar um Destino já programado,
é lutar pela felicidade, persegui-la além das fronteiras da razão muito alem das terras da lógica,
é ter fé no presente e não se deixar seduzir pela possibilidade de um futuro brilhante, 
porque talvez o brilho não represente a felicidade, talvez ele seja anátema.
É querer estar bem de verdade e fazer o que se ama, 
desistir é insistir e este paradoxo representa uma luta, a incessante luta por aquilo em que se acredita, 
é não querer saber e sim acreditar, uma crença irracional que por vezes beira a loucura.

Desistir de fato é ser louco, 
é permitir que a insanidade te tome por completo. 
É queimar todo "O Príncipe", ignorar Maquiavel, é ser Platônico, 
é querer a vitoria dos fracos sobre os fortes, dos tolos sobre os sábios, 
é ser de Paulo seguidor, é querer a vergonha e não a glória e ainda assim ver a Glória nisso, 
é abrir mão de estar entre os Grandes Capacitados e querer ser um Mero Escolhido, 
é fechar os olhos e simplesmente tornar-se ovelha.
Ao final de tudo, desistir é começar uma nova vida, vida está mais leve, vida esta mais feliz, vida esta mais vida.

quarta-feira, 2 de abril de 2014

Epigrama I

Sinto tua falácia, sinto tuas volúpias escondidas que se expressam no cair da noite, sentindo tudo asseado e tão suave, a noite se admira de tanta empolgação. 

Ali ele se suspende, seus mistérios e seus rochedos flutuantes, supostamente secreto em meus olhos, isolado e solene. 

Folhas de prata reprimem as formas obsoletas, no momento em que se depara: 
Vento fugaz, com seus rutilantes passos - a ponto que cego fico com tanta beleza. 

E a agulha dentre mil farpas se torna pequena para a infinidade dos seus atos.

quarta-feira, 26 de março de 2014

Os Dias Atuais

A ponto de me tresloucar,
De uma vida comum,
Para uma vida de avalanches,
O surrealismo toma forma.

Os dias ensolarados,
Não se comparam com a sobre noite,
A transparência toma conta de tudo,
O medo de ser subjugado...

A alegria de sentir o frio,
De poder entender os motivos,
Os pensamentos mais obscuros,
As gargalhadas sem sentido..

O niilismo chega enfim,
A euforia das mudanças sem fim,
O sol aquecendo meu rosto,
E os calafrios ao continuar pensando..

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Poemeto Lamurioso

Hoje uma dor mortal consome minha alma, pensamentos nefastos de umpassado sombrio regressam da escuridão em que estavam exilados e invadem minhamente já não mais portadora de luz, não são vãs tais lamúrias... Uma única coisa mantém-me vivo: A Esperança !!! Morrendo esta, trará consigo o Fim Definitivo.

sábado, 3 de agosto de 2013

A Deus

Há tempos perdi a fé, talvez por estar na planície nela não é preciso ter fé a razão era o bastante. Porém ousei intentos maiores cujo os caminhos rumo a glória eram além da planicie e para o tal era preciso subir por Montanhas Macabras. Pelo que chegando ao alto cume escorreguei e encontrei-me em frente ao Abismo do Caos, a razão falhou-me e foi preciso ter fé pois somente ela me salvaria, então lembrei-me do Amigo de minha Mocidade e em minha angustia tornei a chama-lo, chorando, gritando alto, esperando que ele me ouvisse... Andando mais a frente eu o encontrei, era um Menininho de olhos azuis sentado a beira do precipicio; olhou-me nos olhos, secou minhas lagrimas, cessou-me a inquietação e então uma calmaria tomou-me por completo enchendo o meu coração de animo. O Menininho de olhos azuis que somente é encontrado pelos homens quando estes beiram os Abismos do Caos e encontram a Fé, então num mais caminhar sentado ao chão o encontrarão sorrindo.

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Soneto a lista da UFBA

Em sangue embanhado se deu minha derrota que aguarda uma lista a espera de ser confirmada somente quando ver se o que nela está escrito então se dirá o que do futuro está previsto. 

Entre vida e morte me encontro, a cruz e a espada me são hoje um só caminho o outro é a vida condenada. Inferno dor esta evitada há uma meia década passada que hoje se volta presente mais forte e veemente. 

Sinta o cheiro do fogo suicida que consome minhas forças, que todos os dias me faz em ti pensar, tu és o meu pesar. Não fico se não no aguardo do dia que sairás.

Me farás feliz a mim que tanto por vós lutei que no aguardo estou para ver meu nome em ti escrito ou me destruirás condenando me em fim a morte.

Resposta a frase

"Aquele que a todos carregou nas costas, terá seu caixão arrastado ao chão pela força de um só ser. De fato são verdades... Só não acho que preciso ouvi-las Pois bem as sei... Em vão tento nelas não pensar. E tu que as lança a mim como flechas nada mudam em meu pesar... Pois já as tenho como ferro encravado em meu coração que já em estado podre está consumido pelo ferrugem deste ferro apodrecido que tu amigo meu chamas emudecido de "Verdade". De fato são verdades... Verdades que bem as sei... Mais só se terá confirmação de sua frase mórbida quando um dia eu morrer então lembre-se do que disse e onde quer que esteja eu lembrar-me ei também.

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Quando eu vos perder

No primeiro dia sem vós não terei crido no ocorrido o que mais temi me aconteceu eu vos perdi, acharei não ser real um pesadelo macabro e surreal. O que sou sem vós ??? Se vós sois o que me fazem o que sou. No segundo dia sem vós começarei ainda que relutante a aceitar o fato, há tempos era sabido que este dia chegaria inda assim cri que o pudesse evitar e que vossa presença comigo fosse eterna, Oxalá pudesse eu congelar o tempo e com vós viver eternamente, seguiremos agora caminhos opostos guiados por Naus distintas. Eu estarei só pois não tenho Nau, nunca tive se não a vossa, terei de aprender a navegar sozinho nas ondas de uma bravo mar chamado futuro, atacado incessantemente pelas ondas de meu pesadelo juvenil Oxalá, fosse eterna nossa juventude... No terceiro dia sem vós... Ah o terceiro dia, levantarei de manhã lavarei meu rosto em água do mar... Será só mais um dia.

domingo, 1 de julho de 2012

Amor

Estou chegando ao fim, Não consigo mais respirar, Pois, estou á pensar em você, Minha amada, a minha vida. Porque não consigo me esquecer de você? Porque não consigo falar o que sinto á você? Você é tudo para mim, nunca deixei de te amar, desde o primeiro dia em que te vi. Todos os poema em que resenhei, foram dedicados, escritos, e principalmente á você, Você se tornou o meu eu, Minha vida não se resume á mim. Assim, sem você, não sou nada, Não tenho nada... Não faço nada, eu... Preciso, clamo, choro... Estou me desfazendo como areia... É algo muito profundo, Agora que percebo, quando escrevo, sobre você.. Escrevo chorando.. as lágrimas pelo menos me levam até você.. Vou morrendo, deitado, soleno, calmo.. Mas me lembro que você ainda existe, E não posso ir antes de você, Então, continuo.. Será que um dia conseguirei? Será que você irá me amar? Será... ...

Seguidores